segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Felicidade Cata-vento

Felicidade cata-vento, sopre por entre o coração.

Noite e dia, dia e noite, sem pranto, sem razão.

Hoje um sábio me questionou: o que és tu?

E prontamente eu lhe respondi: eu sou mar.

Eu sou terra, eu sou céu, eu sou tudo, enfim.

Mas nada sou. Sou a vontade de ser, de viver

Impávido diante do dia que a morte venha a

Me conhecer.

Eu sou João, eu sou Maria. Sou rancor, calor,

Frieza, e euforia. Sou também saudade, vontade,

Poesia. Sou o tudo que luta pelo nada.

Sou a ferida, mas também sou a espada.

Eu sou a mão que apedreja, e a mão que

Afaga. Entre á lagrima e a água eu sou...

Tudo, porque hoje sou todo amor.


Por @Netoomoraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário