quinta-feira, 9 de junho de 2011

O Que Conta Meu Eu Lírico

Desgraça! Resmungo isso para o infinito!
Desgraça! Não apareça mais em minha porta.
Igual a uma substância alucinógena, você muda
minha concepção do real, distorce todas as
informações que a vida me passa e cria o seu
mundo, cor de rosa, onde me faz de marionete.
Preso as cordas, você controla cada movimento meu,
cada ação. Estou perdido, entrelaçado nas cordas da paixão
e com a cardio batida, acelerada, quase pulsando para fora do corpo,
sinto que vou sofrer, afinal são tantos os motivos, tantas as
pistas, tudo pede, ou melhor dizendo, implora para
que eu me afaste o quanto antes de você, mas sou fraco.
Um fato: sou propício ao vício, e entre a dependência
e a falência emocional, a distancia é nula. Clemência!
Peço de joelhos: não seja uma medusa em minha vida,
pelo menos não mais uma... E se tudo isso for contrário,
desfaço minhas palavras, me desculpo e, perante a ti, confesso: estou
apaixonado.

@Netoomoraes

4 comentários: